Pular para o conteúdo principal

Nova transformação digital na indústria: 5 iniciativas vencedoras

As indústrias mecânica, têxtil e química sempre foram as grandes consumidoras de tecnologia na revolução industrial, justificando os muitos investimentos realizados em máquinas a vapor, mecanismos de automação, linhas de produção e o estudo de movimentos e tempos. Desde então esse processo não parou e as linhas de produção deram lugar a arranjos flexíveis, muitos sensores, robôs, etc..



No campo dos softwares, a visão dos MRP (manufactoring resource planning) foi ampliada para os ERP, com objetivo de controlar não apenas a produção mas toda a empresa nos processos de compras, contratos, fiscal, contábil e financeiro principalmente. O ERP tornou-se tão essencial que muitas empresas de produção o possuem somente para fins de controle contábil e financeiro e, por questões de custo, terminam por controlar a produção e o planejamento usando planilhas eletrônicas.

Geralmente, após a implantação do ERP, a áreas financeira e contábil ficam satisfeitas e as demais frustradas! Isso acontece porque essas áreas são o objetivo final do ERP. Como o processo de implantação é dolorido e caro, as demais áreas terminam por não terem seus processos atendidos da forma que desejavam e novamente apelam para as planilhas e para os e-mails como forma de manter a continuidade dos seus processos.

Então vamos listar agora as 5 iniciativas para a nova transformação digital na indústria:
1. Integrar todos os processos associados ao MRP e ERP usando BPM

2. Painel de indicadores na linha de produção usando Bi/Big Data

3. Cliente e logística integrados ao processo usando BPM

4. Acesso à Documentação e registros com dispositivos móveis usando ECM 

5. Uso do IOT para no planejamento e controle da produção.



Este texto foi escrito por Márcio Ferreira da Silva, Engenheiro de Produção pela UFRJ, MBA pela COPPEAD e diretor comercial da Lab245 Software.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vamos falar de Big Data e da profissão analista de dados

O assunto Big Data está em voga e não é por acaso, a sociedade já esperava por este tipo de solução há muito tempo e só não tínhamos tecnologia para isso. 
Vou tentar explicar o fenômeno até o final desta postagem:
Usamos Big Data para obter diagnósticos complicados. Isso significa que usamos a tecnologia para conhecer mais sobre fenômenos naturais, sobre organismos, sobre tendências mercadológicas, assuntos complexos demais para que os teóricos consigam criar modelos matemáticos precisos que possam ser usados pelos profissionais para detectar uma tendência.
No meio científico, chamamos de problema inverso a tentativa de entender um fenômeno a partir de algumas medições periféricas.


Para resolver um problema inverso é necessário ter dados, e quanto mais dados, mais preciso será a modelagem e melhor será a predição. Sim, o nome é predição mesmo!
Mas ter dados não é suficiente, é necessário ter algoritmos para encontrar o modelo que mais se adequa ao fenômeno que se deseja reproduzir. …

Como atender às resoluções do Banco Central para digitalização de documentos em instituições financeiras

Recentemente, tenho recebido questionamentos vindos principalmente de instituições financeiras de como preceder no processo de digitalização de documentos depois das resoluções emitidas pelo Banco Central do Brasil em março e abril deste ano.

As resoluções tem por objetivo definir regras para guarda digital, descarte de documentos originais e procedimento para abertura e fechamento de contas por meios eletrônicos.

.

Ambas falam de garantias e procedimentos para que a documentação digital seja reconhecida e que as instituições financeiras, reconhecidas como pioneiras em processos digitais possam expandir seus negócios com segurança nos meios eletrônicos.

A resolução nº 4.474, de 31 de março de 2016 dispõe sobre a digitalização e a gestão de documentos digitalizados relativos às operações e às transações  realizadas pelas instituições financeiras e pelas demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco  Central do Brasil, bem como sobre o procedimento  de  descarte  das  matrizes  …

BPM nas nuvens? 5 razões para preferir trabalhar sempre online

A procura de sistemas de BPM - Business Process Manangement e Workflow em plataforma online tem conseguido uma legião de adeptos. Um sistema de BPM não é um software, mas uma plataforma onde você configura a sua aplicação conforme as necessidades da empresa naquele momento. Chamamos este tipo de serviço de PaaS ou Platform as a Service, não esquecendo da conhecida sigla SaaS que é Software as a Service.


1. Facilidade de realizar mudanças sem interferir na infraestrutura da empresa é a principal razão.  Fornecedores de PaaS de BPM oferecem todas as facilidades de rede, software básico, banco de dados, recursos de integração, segurança e software de BPM sempre atualizados, já inclusos no valor da manutenção. 2. Rapidez na configuração da aplicação e nas mudanças.  Como os processos de uma empresa são dinâmicos, as mudanças tendem a ser frequentes e o PaaS é a melhor solução para mudanças em pouco tempo. 3. Acesso de qualquer lugar, seja web ou celular.  Soluções BPM oferecidas online c…