Pular para o conteúdo principal

Por que você acha que faz Big Data?

Outro dia, em uma conversa com empresários, me perguntaram por que eu acho que faço Big Data.

Foi uma provocação, é claro, mas foi uma oportunidade para explicar quais são as condições para podermos classificar um sistema como Big Data. Podemos citar estes elementos como essenciais:
  1. Grande volume de dados;
  2. Dados de origens diferentes e estrutura diferentes;
  3. Presença de dados não estruturados: mineração de informação em documentos e textos;
  4. Algoritmos para síntese e análise de dados em relacionamentos;
  5. Processamento contínuo.
É comum acreditarmos que Big Data só se aplica a redes sociais com seus likes, mas existem outras aplicações.

Para citar um exemplo, falei sobre indústrias que desejam monitorar as vendas dos seus revendedores.



Este é um problema difícil, afinal, cada revenda possui um software diferente de frente de loja ou ERP, não usam o mesmo padrão de codificação de produtos, tem um elevado volume de vendas, incluindo de outros fabricantes e serviços associados.
Os objetivos deste monitoramento podem ser, por exemplo:
  1. Controle de fabricação e entregas;
  2. Prever tendências de consumo e antecipar pedidos;
  3. Evitar desabastecimento e excesso de estoque;
  4. Implantar ações de marketing para corrigir desbalanceamento entre produtos;
  5. Cuidar da saúde financeira da revenda;
  6. Prever avanço da concorrência;
  7. Auxiliar a revenda a vender mais e com lucratividade.
Neste caso, usamos um grande volume de dados, com fontes diferentes. Como as lojas não usam a mesma codificação, é necessário analisar o texto/descrição do produto para identificar o que foi vendido. O resultado da análise são indicadores adequados ao negócio, obtidos através de algoritmos. E, por fim, este trabalho exige processamento contínuo.
Apesar dos objetivos serem claros, os resultados podem ser surpreendentes e isso é o que o Big Data tem de mais interessante. A partir da análise dos dados, podemos encontrar tendências não previstas, ameaças nunca antes identificadas e uma visão detalhada que aponta para oportunidades ocultas.
Esta análise se aplica ao mercado de alimentos, cosméticos, autopeças, telefonia celular, onde temos vendas de produtos com serviços muito pulverizada geograficamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vamos falar de Big Data e da profissão analista de dados

O assunto Big Data está em voga e não é por acaso, a sociedade já esperava por este tipo de solução há muito tempo e só não tínhamos tecnologia para isso. 
Vou tentar explicar o fenômeno até o final desta postagem:
Usamos Big Data para obter diagnósticos complicados. Isso significa que usamos a tecnologia para conhecer mais sobre fenômenos naturais, sobre organismos, sobre tendências mercadológicas, assuntos complexos demais para que os teóricos consigam criar modelos matemáticos precisos que possam ser usados pelos profissionais para detectar uma tendência.
No meio científico, chamamos de problema inverso a tentativa de entender um fenômeno a partir de algumas medições periféricas.


Para resolver um problema inverso é necessário ter dados, e quanto mais dados, mais preciso será a modelagem e melhor será a predição. Sim, o nome é predição mesmo!
Mas ter dados não é suficiente, é necessário ter algoritmos para encontrar o modelo que mais se adequa ao fenômeno que se deseja reproduzir. …

Como atender às resoluções do Banco Central para digitalização de documentos em instituições financeiras

Recentemente, tenho recebido questionamentos vindos principalmente de instituições financeiras de como preceder no processo de digitalização de documentos depois das resoluções emitidas pelo Banco Central do Brasil em março e abril deste ano.

As resoluções tem por objetivo definir regras para guarda digital, descarte de documentos originais e procedimento para abertura e fechamento de contas por meios eletrônicos.

.

Ambas falam de garantias e procedimentos para que a documentação digital seja reconhecida e que as instituições financeiras, reconhecidas como pioneiras em processos digitais possam expandir seus negócios com segurança nos meios eletrônicos.

A resolução nº 4.474, de 31 de março de 2016 dispõe sobre a digitalização e a gestão de documentos digitalizados relativos às operações e às transações  realizadas pelas instituições financeiras e pelas demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco  Central do Brasil, bem como sobre o procedimento  de  descarte  das  matrizes  …

BPM nas nuvens? 5 razões para preferir trabalhar sempre online

A procura de sistemas de BPM - Business Process Manangement e Workflow em plataforma online tem conseguido uma legião de adeptos. Um sistema de BPM não é um software, mas uma plataforma onde você configura a sua aplicação conforme as necessidades da empresa naquele momento. Chamamos este tipo de serviço de PaaS ou Platform as a Service, não esquecendo da conhecida sigla SaaS que é Software as a Service.


1. Facilidade de realizar mudanças sem interferir na infraestrutura da empresa é a principal razão.  Fornecedores de PaaS de BPM oferecem todas as facilidades de rede, software básico, banco de dados, recursos de integração, segurança e software de BPM sempre atualizados, já inclusos no valor da manutenção. 2. Rapidez na configuração da aplicação e nas mudanças.  Como os processos de uma empresa são dinâmicos, as mudanças tendem a ser frequentes e o PaaS é a melhor solução para mudanças em pouco tempo. 3. Acesso de qualquer lugar, seja web ou celular.  Soluções BPM oferecidas online c…