Esse é o momento para investir em Inteligência Artificial, mas como fazer para não errar?

Muita gente acredita que colocar um robô realizando as tarefas que eram feitas por uma pessoa é suficiente para entrar na era da inteligência artificial. A simples substituição de postos de trabalho por um robô, sem incluir análise dos processos na automação, pode gerar um monstro cheio de garras e difícil de se domar no futuro.
Equipe da Lab245 desenvolvendo novos produtos enquanto a Magali Robot executa tarefas mais bem definidas

Um robô não é uma pessoa e, por isso, ele não deve assumir um cargo somente, um único robô pode atuar em várias frentes e deixando o humanos para funções mais nobres e criativas. Desta forma, é muito melhor ter uma única central de configuração do robô, otimizando recursos para que, a qualquer momento, seja possível fazer ajustes.

Há um ano, nós divulgamos para o mercado a nossa plataforma, a Magali Robot. Ela é um robô da família Folder245 e executa tarefas complexas a partir de critérios inseridos na plataforma.

O antecessor da Magali Robot foi projetado para a automação de algumas etapas de workflow que avaliam e executam tarefas simples. Ele substitui um ser humano nessas atividades 24 horas por dia. Aos poucos, a quantidade de atividades que a automação de etapas era capaz de reproduzir foi aumentando e nossa equipe de desenvolvimento precisou incluir mecanismos de inteligência artificial para análise e execução de tarefas mais complexas.

Enfim, criamos a Magali "245" Robot. Ela é bem esperta e especialmente talentosa com palavras: é capaz de extrair informação de dados não estruturados como emails, descrições longas e identificar o contexto para tomar decisões. Estas decisões podem ser facilmente implementadas e atuam em diversas atividades como as listadas abaixo que se encontram em produção:
  1.    Abre um processo contábil a partir de relatórios de máquinas de cartão
  2.    Inicia a elaboração de contratos a partir de um processo de vendas
  3.    Envia email de conteúdo técnico e responde dúvidas
  4.    Sugere pedido de reposição de estoque de produtos em lojas
  5.    Lê e classifica produtos de autopeças em estoque com descrições não padronizadas
  6.    Avalia e classifica prioridades em ações corretivas
  7.    Faz análise preditiva e toma decisões
  8.    Identifica erros de processos e faz a correção
A forma de ensinar a Magali não é muito diferente do que fazemos com um novo colaborador no trabalho: é necessário descrever o problema e apontar os critérios de decisão.

Ela é polivalente: é capaz de executar várias tarefas diferentes ao mesmo tempo envolvendo critérios complexos em áreas bem diversas como marketing, análise financeira, compras, etc. Uma vez que ela aprende, ela passará a executar precisamente essa atividade para sempre.

Estamos comemorando um ano dessa máquina poderosa e já sentimos a mudança dentro do próprio ambiente de trabalho. A adoção da Magali nos nossos processos internos liberou vários analistas de atividades rotineiras, deslocando para desenvolvimento de novos produtos.

Como conclusão deixo as seguintes dicas:
  • Use um robô realmente inteligente que possa atuar em operações corporativas de forma integrada, assim você poderá ajustar quando necessário sem se preocupar com múltiplos logins e configurações duplicadas.
  • Os robôs podem ler documentos e realizar atividade mais complexas do que simples scripts interativos ou repetitivos. A configuração deve ser feita adicionando ou removendo atividades, sendo possível incluir novos algoritmos quando necessário.
  • Por fim, dê preferência a mecanismos mais abrangentes e robustos que poderão dar mais visibilidade e controle aos processos.

Comentários